BUSQUE NO SITE

Fechar ▲

A história da Garota chamada de Imortal

Uma menina de 16 anos de idade espantou médicos por ter sobrevivido a uma queda de 3.500 pés (aproximadamente 1 quilômetro) depois de seu pára-quedas não ter aberto corretamente. Makenzie Wethington, de Joshua, Texas (EUA), ganhou uma viagem de paraquedismo para Oklahoma como um presente de seu pai em seu aniversário. Mas a celebração quase tornou uma tragédia.

A irmã mais velha de Makenzie, Meagan, disse ao canal de notícias FOX News que o paraquedas simplesmente não abriu durante o salto. Ela também disse à emissora de TV norte-americana que os instrutores estavam a instruindo durante a queda para que ela conseguisse abri-lo, mas a menina parou de responder às instruções e perdeu a consciência enquanto estava no ar.

De acordo com o cirurgião Dr. Jeffrey Bender, Makenzie perfurou o fígado, quebrou a pélvis, a coluna na parte inferior das costas (lombar), um ombro, várias costelas e um dente na queda em Chickasha, Oklahoma.

“Eu não sei os detalhes do acidente, eu não estava lá. Mas se ela realmente caiu por 3,500 pés, eu não tenho nenhuma ideia de como ela sobreviveu”, disse Dr. Bender, do Centro Médico de Oklahoma. Ela ficou conhecida no hospital como a Garota Imortal.

O pai da garota, Joe, que saltou primeiro, pousou em segurança e viu sua filha perder o controle e chocar-se contra o solo. Após ter chamado a ambulância e ter percebido que ela ainda estava com vida, ele culpou a empresa de paraquedismo por ter permitido que sua filha saltasse sem ter dado as instruções corretas antes do salto.

Nancy Koreen, diretora de promoção do esporte da Associação dos Estados Unidos de Paraquedismo, disse que os requisitos de segurança permitem que alguém que tenha 16 anos possa fazer o salto com o consentimento dos pais, embora alguns lugares definam a idade mínima mais elevada. Robert Swainson, proprietário e instrutor-chefe da empresa, defendeu seus funcionários, dizendo que as instruções foram claras, que foi o pai de Makenzie que subiu com sua filha e foi o primeiro a pular.

Ele disse a uma estação de TV Oklahoma que o paraquedas na realidade abriu “pela metade”, o que causou a menina a entrar numa espiral de queda livre até o chão. “Ela bateu no chão duro”, disse Meagan Wethington, irmã da menina. “Deus a salvou.”

A história da Garota chamada de Imortal

Meagen disse que seu pai e irmã tiveram seis horas de treinamento antes do salto. Sr. Swainson, instrutor-chefe, disse que o paraquedas de Makenzie teria aberto corretamente se ela tivesse seguido o protocolo, mas que ela perdeu a consciência durante a queda e que não houve nada que eles poderiam ter feito. Ele também disse que os mergulhadores deram todas as instruções durante uma sessão de treinamento de seis horas sobre como lidar com todos os possíveis problemas e riscos durante o pulo.

Makenzie tinha um rádio em seu capacete por meio do qual ele lhe dava instruções. “Era corrigível, mas a ação corretiva não foi tomada”, disse Swainson. “O máximo que eu poderia ter feito era gritar no ouvido de Makenzie”, disse ele.

A Sra. Koreen, da associação de paraquedismo, não quis comentar diretamente sobre o caso de Makenzie, mas concordou que um mergulhador relutante não poderia ter saltado sozinha de um avião mas que, mesmo se alguém tivesse saltado com a menina, se realmente houve problemas no paraquedas, ela poderia ter perdido a vida de qualquer forma.

A história da Garota chamada de Imortal

A condição da menina hoje é normal e ela sofre de nenhuma sequela.

E aí, você acha que sorte é pouco pro que aconteceu com a garota? Quem tem mais culpa nessa história? Comente abaixo.

Compartilhar no Facebook